quinta-feira, 3 de junho de 2010

Resumo: "Hackers: Anjos e Criminosos"

Esse documentário investiga por meio de relatos de pessoas envolvidas no mundo da informática, (ex-hackers, responsáveis pela segurança de informações de empresas, etc.) o mundo do crime cibernético: as vítimas, os invasores, seus métodos e motivações. Mostraremos os pontos de maior relevância

Primeiramente, temos o relato de Iam Murphy, o Capitão Zap, o responsável pelo que foi considerado o maior ataque de hackers de todos os tempos. Ele invadiu o sistema da companhia telefônica AT&T, mudando o relógio que determinava o preço da tarifa por ligações interurbanas, o que por consequência deixou-as de graça durante o dia. Hoje ele é hacker ético.

Também temos o relato de um white-hat hacker, que nos define o que é um hacker ético, a sua função, que é a de invadir os sistemas da própria empresa contratante e depois analisar as falhas desse sistema, possibilitando uma posterior reparação.

É mostrada também, uma concepção que pretende mudar o significado do termo “hacker”, para o de um profissional que construa e use o seu talento para o bem, transferindo a significação de criminoso, invasor e destruidor, para o termo “cracker”, fato que gera certa controvérsia no meio cibernético.

Além desses relatos, temos o de Cold Fire (hacker, que quando jovem burlou o sistema de uma companhia de celulares, transferindo seus gastos para as contas de outros usuários), que juntamente com, o de outro hacker britânico (que não quis se identificar), nos mostram que geralmente os hackers são jovens e agem dessa forma, ora por diversão, ora por querer se vingar de alguém ou por querer determinar sua própria justiça em relação á Internet.

Enfim, o filme “Hackers: Anjos e Criminosos”, através dessas concepções, nos mostra que a guerra cibernética não tem fim, assim como as evoluções tecnológicas nelas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário